sexta-feira, julho 14, 2017

Terapia Comunitária Integrativa. O SUS das Práticas Integrativas.


O trabalho de sensibilização de gestores feito pela Regional de Saúde Teles Pires do estado do Mato Grosso leva apoio para implantação das PICS à 14 municípios

Nas últimas semanas, a série de reportagens sobre as Práticas Integrativas e Complementares (PICS) na Atenção Básica trouxe parte do histórico, processo de implantação, relatos de usuários e resultados dos recursos terapêuticos no cuidado integral da saúde da população em diferentes municípios. A história de hoje é um pouco diferente.

A Regional Teles Pires, uma das regionais da Secretaria de Saúde do Mato Grosso, é responsável em apoiar 14 municípios do estado. Depois de mapearem as demandas da população da área, os técnicos identificaram a necessidade de fazerem um trabalho de sensibilização dos gestores municipais sobre as PICS.

“Em nossas visitas técnicas, percebemos a elevada demanda de consultas, forma de trabalhar distinta do que preconiza a Estratégia de Saúde da Família (ESF), muita medicalização, gestores com investimentos elevados sem resolutividade, filas para consultas com especialistas, sendo de pacientes com doenças, entre outros problemas. A inserção das PICS nos serviços melhora o atendimento à população, além de possibilitar a promoção da saúde e a prevenção de doenças e agravos”, explica Marilene Ritter, técnica da regional.

O projeto de sensibilização dos gestores e intervenção começou há alguns anos, mas recebeu reforço no final de 2016 com a formação de um grupo de Terapeutas pela Universidade Federal de Mato Grosso, campus Sinop - UFMT. Depois do trabalho de divulgação das PICS, quatro municípios da região Teles Pires começaram a ofertar Terapia Comunitária Integrativa: Sinop, Feliz Natal, Rio Verde e Sorriso.

A regional auxilia, acompanha e monitora os municípios com base nas diretrizes da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) do SUS. Além do trabalho de apoio, foi realizado em maio deste ano o I Encontro de Práticas Integrativas Complementares para Gestão de Saúde da Região Teles Pires. No evento, foram apresentados algumas práticas, como Terapia Comunitária, Yoga, Reiki, Ayurveda, Moxabustão (acupuntura térmica), Musicoterapia, Auriculoterapia, Acupuntura e Arteterapia.

Conceito

A terapia Comunitária Integrativa (TCI) é uma prática de intervenção coletiva que visa criar e fortalecer os laços sociais. Aproveita os recursos da própria comunidade para criar soluções para as dificuldades. É um espaço de acolhimento que favorece a troca de experiências entre as pessoas.

A TCI é desenvolvida em formato de roda. Cada participante da sessão é corresponsável pelo processo terapêutico individual e coletivo. A partilha de experiências favorece o resgate da identidade, a restauração da autoestima e da autoconfiança e a ampliação da percepção. A prática está fundamentada em cinco eixos teóricos: pedagogia de Paulo Freire, Teoria da Comunicação, o pensamento sistêmico, a antropologia cultural e a resiliência.

O trabalho realizado pela TCI reforça a autoestima, promovendo redes solidárias de apoio e otimizando recursos disponíveis da comunidade. A possibilidade de ouvir a si mesmo e aos outros participantes traz outros significados às suas vivências, conquistas, potencialidades e aos seus sofrimentos, diminuído o processo de somatização e complicações clínicas.

Boas experiências

Histórias como a da Regional de Saúde Teles Pires no Mato Grosso têm em todo o país. Se no seu município há oferta de osteopatia, musicoterapia, quiropraxia, Ayurveda ou Yoga, envie sua história para o e-mail: educomunicacao.dab@gmail.com. Queremos divulgar experiências bem sucedidas para incentivar outros municípios a investirem na estruturação das PICS, bem como na melhoria da promoção, prevenção e cuidado da população.


sábado, julho 08, 2017

Você conhece todos os benefícios do chocolate?

Dia Mundial do Chocolate
Por que comer? Por que não comer? 
Chocolate, consumido moderadamente, dá sensação de bem estar e fazem bem ao

sexta-feira, julho 07, 2017

1º Simpósio Multidisciplinar de Qualidade e Segurança em Cirurgia Cardiovascular


1º Simpósio Multidisciplinar 
de Qualidade e Segurança 
em Cirurgia Cardiovascular

24 e 25 de Novembro de 2017
Centro de Convenções Rebouças • São Paulo • SP

Sua participação é muito importante!

O Instituto do Coração - HCFMUSP junto com a SBCCV realizarão, em novembro, seu primeiro Simpósio Multidisciplinar sobre Qualidade e Segurança. Desta forma, um grupo seleto de especialistas das mais diversas áreas ensinará como podemos otimizar e dar valor ao cuidado dos nossos pacientes, focando na transparência e no trabalho em equipe.

“Se pensarmos que o erro não vai acontecer conosco é porque somos parte do problema”

“Durante os cuidados é obrigatório pensar em sistema para entender onde se origina o evento adverso e as circunstâncias que levam a falha no resgate do paciente”

Devemos entender que os resultados de um hospital não dependem somente do ato cirúrgico e sim de todo um trabalho multidisciplinar. Portanto, continuar responsabilizando a parte técnica por todo o resultado é superficial, já que nada é mais padronizado do que uma cirurgia. O que a ciência da segurança do paciente vem mostrando é uma forte relação entre falhas do trabalho em equipe e falhas técnicas e de como um adequado gerenciamento de situações de crises pode mudar a tomada de decisões. Dessa maneira, aprendemos como melhorar habilidades técnicas, mas não aprendemos como aprimorar nosso comportamento ou nossas habilidades não técnicas.

No mundo, o número de erros evitáveis em saúde aumentam consideravelmente e no Brasil ocorre praticamente uma morte por minuto. Dados internacionais mostram que até 50% dos pacientes que internam para cirurgia cardiovascular sofrem algum tipo de evento adverso e que até 3/4 destes se originam fora do centro cirúrgico.

“Cirurgia não basta ser efetiva, tem que ser segura e focada no paciente”

Com o advento da tecnologia e da expectativa de vida, as equipes de cirurgia cardiovascular têm se deparado com uma maior complexidade de procedimentos em pacientes, em sua maioria, também mais graves. Desta forma, para um atendimento centrado no paciente, a explosão do conhecimento multidisciplinar nos obriga cada vez mais a trabalhar em equipe, trazendo tarefas e funções claras para objetivos comuns. Isso deve ser feito através de treinamentos com cada integrante da equipe para interagir de forma dinâmica, interdependente e adaptativa, dando suporte uns aos outros e colocando o paciente como o centro do nosso atendimento.

“Temos que ser equipes treinadas e sincronizadas na construção de cenários seguros no cuidado dos nossos pacientes”

Melhorar a qualidade do atendimento ao paciente continua sendo uma missão contínua para todos os membros da equipe cirúrgica.

O objetivo é aprendermos juntos e trocarmos experiências com líderes da nossa área e de áreas afins. Entender como eles aprendem com os erros e como os gerenciam, como aderem a protocolos no seu local de trabalho, como criam uma cultura de segurança e como trabalham o fator humano na procura por otimizar resultados buscando sempre a transparência e focando no trabalho de equipes bem treinadas.

“Por este motivo, convidamos a todos os profissionais envolvidos nos cuidados aos pacientes submetidos a cirurgia cardiovascular”

Diretores do Simpósio:
Omar Mejia (SP)
Paula Gobbi (SP)
Armando Ribeiro (SP)

Comitê do Programa:
Alfredo Inácio Fiorelli (SP) 
Carlos Manuel A. Brandão (SP)
Enis Donizetti Silva (SP)
Fernando A. Atik (DF)
José Mariano S. de Moraes (MG)
Luís Alberto O. Dallan (SP)
Luiz Augusto F. Lisboa (SP)
Marcelo Biscegli Jatene (SP)
Marcello Gomide C. de Faria (RJ)
Pablo M. A. Pomerantzeff (SP)
Rosangela Monteiro (SP) 
Rui M. S. Almeida (PR)

Coordenadores:
Fábio B. Jatene (SP)
Henrique Murad (RJ)
Jurema da Silva H. Palomo (SP)
Luiz Fernando Canêo (SP)
Renato A. K. Kalil (RS)

1º Simpósio Multidisciplinar de Qualidade e Segurança em Cirurgia Cardiovascular


1º Simpósio Multidisciplinar
de Qualidade e Segurança 
em Cirurgia Cardiovascular

24 e 25 de Novembro de 2017
Centro de Convenções Rebouças • São Paulo • SP

Sua participação é muito importante!

O Instituto do Coração - HCFMUSP junto com a SBCCV realizarão, em novembro, seu primeiro Simpósio Multidisciplinar sobre Qualidade e Segurança. Desta forma, um grupo seleto de especialistas das mais diversas áreas ensinará como podemos otimizar e dar valor ao cuidado dos nossos pacientes, focando na transparência e no trabalho em equipe.

“Se pensarmos que o erro não vai acontecer conosco é porque somos parte do problema”

“Durante os cuidados é obrigatório pensar em sistema para entender onde se origina o evento adverso e as circunstâncias que levam a falha no resgate do paciente”

Devemos entender que os resultados de um hospital não dependem somente do ato cirúrgico e sim de todo um trabalho multidisciplinar. Portanto, continuar responsabilizando a parte técnica por todo o resultado é superficial, já que nada é mais padronizado do que uma cirurgia. O que a ciência da segurança do paciente vem mostrando é uma forte relação entre falhas do trabalho em equipe e falhas técnicas e de como um adequado gerenciamento de situações de crises pode mudar a tomada de decisões. Dessa maneira, aprendemos como melhorar habilidades técnicas, mas não aprendemos como aprimorar nosso comportamento ou nossas habilidades não técnicas.

No mundo, o número de erros evitáveis em saúde aumentam consideravelmente e no Brasil ocorre praticamente uma morte por minuto. Dados internacionais mostram que até 50% dos pacientes que internam para cirurgia cardiovascular sofrem algum tipo de evento adverso e que até 3/4 destes se originam fora do centro cirúrgico.

“Cirurgia não basta ser efetiva, tem que ser segura e focada no paciente”

Com o advento da tecnologia e da expectativa de vida, as equipes de cirurgia cardiovascular têm se deparado com uma maior complexidade de procedimentos em pacientes, em sua maioria, também mais graves. Desta forma, para um atendimento centrado no paciente, a explosão do conhecimento multidisciplinar nos obriga cada vez mais a trabalhar em equipe, trazendo tarefas e funções claras para objetivos comuns. Isso deve ser feito através de treinamentos com cada integrante da equipe para interagir de forma dinâmica, interdependente e adaptativa, dando suporte uns aos outros e colocando o paciente como o centro do nosso atendimento.

“Temos que ser equipes treinadas e sincronizadas na construção de cenários seguros no cuidado dos nossos pacientes”

Melhorar a qualidade do atendimento ao paciente continua sendo uma missão contínua para todos os membros da equipe cirúrgica.

O objetivo é aprendermos juntos e trocarmos experiências com líderes da nossa área e de áreas afins. Entender como eles aprendem com os erros e como os gerenciam, como aderem a protocolos no seu local de trabalho, como criam uma cultura de segurança e como trabalham o fator humano na procura por otimizar resultados buscando sempre a transparência e focando no trabalho de equipes bem treinadas.

“Por este motivo, convidamos a todos os profissionais envolvidos nos cuidados aos pacientes submetidos a cirurgia cardiovascular”

Diretores do Simpósio:
Omar Mejia (SP)
Paula Gobbi (SP)
Armando Ribeiro (SP)

Comitê do Programa:
Alfredo Inácio Fiorelli (SP) 
Carlos Manuel A. Brandão (SP)
Enis Donizetti Silva (SP)
Fernando A. Atik (DF)
José Mariano S. de Moraes (MG)
Luís Alberto O. Dallan (SP)
Luiz Augusto F. Lisboa (SP)
Marcelo Biscegli Jatene (SP)
Marcello Gomide C. de Faria (RJ)
Pablo M. A. Pomerantzeff (SP)
Rosangela Monteiro (SP) 
Rui M. S. Almeida (PR)

Coordenadores:
Fábio B. Jatene (SP)
Henrique Murad (RJ)
Jurema da Silva H. Palomo (SP)
Luiz Fernando Canêo (SP)
Renato A. K. Kalil (RS)

1º Simpósio Multidisciplinar de Qualidade e Segurança em Cirurgia Cardiovascular



O Instituto do Coração (INCOR) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) junto com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCCV) realizarão, em novembro, seu primeiro Simpósio Multidisciplinar sobre Qualidade e Segurança. Desta forma, um grupo seleto de especialistas das mais diversas áreas ensinará como podemos otimizar e dar valor ao cuidado dos nossos pacientes, focando na transparência e no trabalho em equipe.

quinta-feira, julho 06, 2017

Juiz manda planos de saúde cobrirem número ilimitado de sessões de psicoterapia

Tribunal Regional Federal da 3.ª Região. FOTO: CNJ/DIVULGAÇÃO

Decisão de Djalma Moreira Gomes, da 25.ª Vara Cível Federal em São Paulo, acolhe ação movida pela Procuradoria da República e derruba norma da ANS que restringia a 18 a quantidade de atendimentos anuais para tratamento de síndromes e transtornos psicológicos

A pedido do Ministério Público Federal em São Paulo, a Justiça Federal determinou aos planos de saúde em todo o Brasil que ofereçam cobertura ilimitada para sessões de psicoterapia a seus clientes. A decisão anula parte da resolução 387/2015 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelecia a obrigatoriedade dos convênios de arcar com apenas 18 atendimentos anuais. A 25.º Vara Cível Federal de São Paulo acolheu os argumentos da Procuradoria da República e destacou que a norma editada pelo órgão contraria tanto a Constituição quanto as leis que regulamentam o setor.

A sentença foi dada em 10 de maio, mas o Ministério Público Federal somente foi notificado de seu teor na última semana de junho.

Segundo o Ministério Público Federal, um exemplo é a Lei 9.656/98, que dispõe sobre os planos de saúde e fixa, como regra, a inexistência de limite para a cobertura assistencial.

Entre as exceções estão procedimentos específicos como tratamentos experimentais, inseminação artificial e procedimentos odontológicos, mas o texto nada fala sobre psicoterapia.

“Ao indicar um número máximo de sessões por ano, a ANS extrapolou seu poder regulatório e manteve em vigência uma resolução que vai além do que a legislação permite”, afirma a Procuradoria.

“Chega a ser, não diria cínico, mas, ao menos, ingênuo o argumento de que o limite estabelecido é o mínimo de sessões de psicoterapia que a operadora do plano de saúde está obrigada a oferecer, podendo ela oferecer mais que esse limite”, afirma o juiz federal Djalma Moreira Gomes ao tratar da justificativa que a ANS apresentou.

“Ora, a experiência revela que isso não acontece na prática. As operadoras fazem (no máximo) aquilo que o órgão regulador/fiscalizador lhes impõe, o que é compreensível até em razão de questões de custos e de mercado.”

Ao anular a restrição aos atendimentos em psicoterapia, a sentença determina que a cobertura dos planos corresponda ao número de sessões prescritas pelo profissional de saúde responsável.

A decisão judicial é resultado de uma ação civil pública do Ministério Público Federal proposta no ano passado.

O procurador da República Luiz Costa, autor do procedimento, destacou que, ‘além de ilegal, a norma da ANS é inconstitucional por afrontar o direito social à saúde e ir de encontro às diretrizes do SUS’.

COM A PALAVRA, A ANS

“A ANS informa que recorreu da decisão e aguardará nova decisão sobre o recurso interposto”.

Fonte: ESTADÃO

Auriculoterapia. O SUS das Práticas Integrativas


Em Cabreúva (SP), o recurso terapêutico das PICS foi um dos primeiros ofertados à população. É uma terapia de baixo custo e de resultados significativos

A história das Práticas Integrativas e Complementares (PICS) em Cabreúva (SP) é recente. Há pouco mais de dois anos os cidadãos começaram a ter acesso à sessões de acupuntura e auriculoterapia, principalmente, pacientes com dores crônicas. Além de reduzir a prescrição de analgésicos, os usuários relataram melhora também no bem estar emocional.

Auriculoterapia é uma técnica da Medicina Tradicional Chinesa que trata disfunções físicas, emocionais e mentais por meio de estímulos em pontos específicos da orelha, local onde há terminações nervosas correspondentes a determinados órgãos do corpo.

A oferta começou primeiro no Centro Especializado em Reabilitação (CER). Hoje, duas Unidades Básicas de Saúde fazem atendimentos. “A eficácia do tratamento com PICS mostra aos gestores que é um bom investimento dos recursos da saúde. Primeiro, porque diminui o gasto com medicamentos e, segundo, reduz os encaminhamentos, aumentando a resolutividade da Atenção Básica e dos outros níveis de assistência”, explica a terapeuta ocupacional e especialista em Gestão Pública Yara Christofoletti. Para a profissional, talvez a maior dificuldade encontrada para implantar e ampliar os serviços de PICS seja o desconhecimento por parte de alguns gestores e profissionais de saúde.

“Tive acesso a alguns artigos científicos que traziam evidências e estudos sobre a aplicação de Auriculoterapia. Comecei a me perguntar: Por que em Cabreúva não tem? Por que em Itu e Jundiaí, cidades próximas, os cidadãos têm acesso na rede municipal? A partir desses questionamentos e observações do histórico dos pacientes do CER, escrevi um projeto e apresentei à prefeitura. Fiz minha parte e creio que muitos cidadãos estão sendo beneficiados”, conta Yara Christofoletti, também terapeuta ocupacional.

A partir da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), instituída pelo Ministério da Saúde em 2006, a implantação das práticas deu início na cidade em 2016.

Os recursos para as PICS integram o Piso da Atenção Básica (PAB) de cada município, podendo o gestor local aplicá-los de acordo com sua prioridade. Alguns tratamentos específicos da acupuntura recebem outro tipo de financiamento que compõe o bloco de média e alta complexidade.

Projeto PICS

A proposta apresentada à prefeitura em 2015 mostrava a aderência e a evolução dos pacientes para conscientizar a gestão dos benefícios e despertar o interesse de outros profissionais da saúde. O projeto tinha como objetivos:


Implantar novas opções terapêuticas com cuidado humanizado, seguro, racional, com equidade, resolutivo e econômico aos usuários de Cabreúva;


Minimizar o consumo e dispensação de analgésicos e anti-inflamatórios na rede municipal da Farmácia Popular, com redução de dores crônicas;


Aumentar a satisfação dos usuários de saúde com a redução do impacto na fila de espera pela acupuntura realizada no serviço de referência secundária (Jundiaí);


Criação da Comissão de Práticas Integrativas e Complementares no Município de Cabreúva.


Colaborar na Formulação, regulamentação e implantação do Serviço de Práticas Integrativas e Complementares do Município (PICC) respaldados PNPIC;

“Hoje temos um protocolo unificado para as PICS, onde a auriculoterapia pode ser realizada para pacientes encaminhados pela Unidade de Avaliação e Controle (UAC) ou demanda interna do CER como complemento as terapias de reabilitação, permitindo grande efetividade na conjugação dessa rede de métodos de tratamento.”, fala Yara. Apenas neste ano, foram realizadas 313 sessões entre auriculoterapia e acupuntura, em 57 pacientes. “Queremos ampliar os atendimentos das práticas já implantadas e oferta também Liang Gong, prática corporal. Nossa missão é dar continuidade a uma nova cultura em saúde em Cabreúva”, pondera a terapeuta.

Curso
Para os profissionais de saúde que interessam se especializarem, o Ministério da Saúde oferece capacitação em Auriculoterapia. O curso é dividido em duas etapas: uma por Ensino à Distância (EAD), com carga horária de 75 horas e cinco módulos sequenciais; e uma parte presencial, com carga horária de cinco horas, realizada após a finalização da EAD. As edições do curso são realizadas em diferentes estados, com a etapa presencial ocorrendo em municípios dos polos regionais selecionados.

O curso é multiprofissional e voltado para profissionais de saúde de nível superior da atenção básica, lotados nas Equipes de Saúde da Família (ESF), Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) e ou Unidades Básicas tradicionais — centros de saúde. A formação é totalmente gratuita.

Boas experiências
Histórias como a de Cabreúva (SP) têm em todo o país. Se no seu município há oferta de osteopatia, musicoterapia, quiropraxia, Ayurveda, Terapia comunitária integrativa ou Yoga, envie sua história para o e-mail: educomunicacao.dab@gmail.com. Queremos divulgar experiências bem sucedidas para incentivar outros municípios a investirem na estruturação das PICS, bem como na melhoria da promoção, prevenção e cuidado da população.

Leia também

sábado, julho 01, 2017

1º Simpósio de Qualidade e Segurança em Cirurgia Cardiovascular.

1º Simpósio de Qualidade e Segurança em Cirurgia Cardiovascular
"1º Curso para Equipes de Cirurgia Cardiovascular"

Público-alvo:
Profissionais que participam de cirurgias cardiovasculares.

Objetivos:
  • Reconhecer os desafios e limitações do fator humano e das abordagens na avaliação da situação;
  • Identificar as causas comuns e fatores associados ao erro médico em cirurgia cardíaca;
  • Desenvolver mecanismos para confrontar e analisar o nexo de causalidade do erro;
  • Implementar ferramentas eficazes de comunicação entre e dentro das equipes, por exemplo, briefing pré-operatório, entrega do paciente na UTI e questionários pós-operatórios.

Organização:
Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCC)

Coordenação:

Prof Dr Omar Mejía
Prof Dr Luiz Canêo
Prof Dr Fabio B. Jatene

O Prof Armando Ribeiro tem a honra de ser um dos especialistas convidados para  abordar o tema sobre os desafios e limitações do fator humano nas equipes de Cirurgia Cardiovascular. 

Mais informações:
Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCC): 11 3849-0341

Neurociência com foco em RH Estratégico. Grupo ConstRHuir

Neurociência com foco em RH Estratégico
Venha entender mais sobre o comportamento dos colaboradores e as vantagens relacionadas ao ambiente das organizações.

Conteúdo:
  • Avanços das neurociências aplicadas ao comportamento humano nas organizações e como seus conceitos podem ser aplicados ao RH Estratégico
  • Reflexões sobre os "neuromitos"
  • Treino de alta performance: das quadras as salas de reunião
  • Neuroaprendizagem e gestão do estresse ocupacional 
Docente: Armando Ribeiro

Consultor organizacional. Especialista em Neuropsicologia e MBA em Saúde Ocupacional pela UNIFESP. Pioneiro na abordagem das Neurociências aplicadas a ADM no Insper. Autor do primeiro artigo sobre Neurociências aplicadas aos negócios no blog da Harvard Business Review - BR. Contribuiu para artigos sobre Neurociências e ADM na revista Administrador Profissional do CRA-SP. Estudou "Coaching Brain Health" no Institute of Coaching da Harvard Medical School (EUA). 

Quando: 09 de agosto de 2017 das 14h às 17h
Local: Auditório Sincomavi • Rua Boa Vista, 356 • 15º andar
Centro • São Paulo/SP (ao lado da estação de metrô São Bento)
Ingresso Solidário: 1 lata de leite em pó

Mais informações: 11 3488.8200 ou e-mail: constrhuir@sincomavi.org.br
Inscrições Acesse Aqui

Vagas Limitadas!
Compartilhe nas redes sociais

Veja como a falta de confiança prejudica o relacionamento. The Love School.

Participação do Prof Armando Ribeiro no programa The Love School da TV Record. A quebra de confiança é um problema complicado de ser solucionado no relacionamento. Pois, a confiança é tão importante quanto o amor, mas, em alguns casos, é possível retomá-la e reconstruir a relação. Assista a entrevista no link.

Detox Emocional. Programa Em Forma da RIT TV.

Bate papo: Detox Emocional: A busca do equilíbrio. Em Forma. RIT TV.

Estresse. Programa Saúde é Vida. Rede Vida TV

Rede Vida apresenta: Saúde é Vida. ESTRESSE

Detox Emocional. Revista Cláudia.

quarta-feira, junho 28, 2017

Experiência brasileira na integração da medicina tradicional e complementar é apresentada a países das Américas


Representantes do Ministério participaram de encontro promovido pela Organização Pan-Americana da Saúde na cidade de Manágua, na Nicarágua

As experiências obtidas pelo Brasil na complexa missão de integrar as práticas tradicionais indígenas, as medicinas complementares, no Brasil são as que constam na Política Nacional de Práticas Integrativas Complementares (PNPIC), à medicina ocidental, no cuidado, foram apresentadas durante a ‘Reunião Regional: Avançando para uma Saúde Universal, Contribuições da Medicina Tradicional e Complementar’. O Evento, promovido pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) na Nicarágua, contou com a participação de representantes de 11 países das Américas, destacados por apresentarem maiores avanços na integração da medicina tradicional e complementar.

O encontro teve o objetivo de construir uma agenda de colaboração que permita a identificação de iniciativas relacionadas com a integração entre a Medicina Tradicional e Complementar que podem fortalecer a implementação da Estratégia de Saúde Universal da OPAS/OMS. Além disso, o evento proporcionou o intercambio de experiências dos países da região que já veem efetivando esta prática em seus sistemas de saúde.

“A nossa expectativa é conhecer as experiências dos países participantes sobre a valorização, o reconhecimento e a articulação das práticas tradicionais de cura e autocuidado em integração com as ações do sistema de saúde biomédico”, destacou a antropóloga da Divisão de Programas e Projetos da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), Lívia Puntel.

O Departamento de Atenção Básica (DAB), responsável pela efetivação das práticas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), também contou com representação no encontro. Fabio Carvalho, Coordenador Geral Substituto de Gestão da Atenção Básica (CCGAB), apresentou a experiência brasileira com a PNPIC com destaque à ampliação da política. “Ações de monitoramento e formação estão permitindo aumentar o número de atendimentos, chegando a mais de 2 milhões de atendimentos individuais em 2016, o que nos possibilita realizar análises sobre as práticas ofertadas para diferentes condições de saúde”, relatou.


O SUS DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS 

O campo das práticas integrativas e complementares contempla sistemas médicos complexos e recursos terapêuticos, os quais são também denominados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) de medicina tradicional e complementar/alternativa (MT/MCA). Tais sistemas e recursos envolvem abordagens que buscam estimular os mecanismos naturais de prevenção de agravos e recuperação da saúde por meio de tecnologias eficazes e seguras, com ênfase na escuta acolhedora, no desenvolvimento do vínculo terapêutico e na integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade. Outros pontos compartilhados pelas diversas abordagens abrangidas nesse campo são a visão ampliada do processo saúde-doença e a promoção global do cuidado humano, especialmente do autocuidado.

Para saber onde as PICs são ofertadas, consulte o TABNET --> http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02

Clique em acessar-> rede assistencial - > Cnes estabelecimentos - > Serviço/Classificação - a partir de Março de 2008. 

Em seguida selecione a região de interesse, feito isto, clique em Classificação do Serviço 134.

Leia mais: 

O SUS das Práticas Integrativas: Biodança


"O SUS das Práticas Integrativas" é uma série de reportagens que conta as experiências de cuidado em saúde com PICS nos municípios brasileiros. A história de hoje é de Joinville (SC).

Em Joinville (SC), adolescentes, adultos e idosos descobrem juntos os benefícios da terapia que usa os movimentos, a música e as emoções para alcançar o equilíbrios e o bem estar do corpo

Biodança usa a música, emoções, além da dança, para recriar vivências. A prática foi criada nos anos 1960 pelo antropólogo e psicólogo chileno Rolando Toro Araneda. A terapia une fundamentos da biologia, da antropologia e da psicologia para produzir efeitos terapêuticos que auxiliam no cuidado, promovem consciência de si e estado de alegria nos praticantes.

O recurso terapêutico estimula a espontaneidade, a expressão, a consciência corporal e a sociabilidade. Contribui em especial para reduzir o estresse. O objetivo da terapia é melhorar a qualidade de vida ao buscar o equilíbrio emocional e fisiológico.

Na Unidade Básica de Saúde Jardim Sofia, em Joinville (SC), a biodança é ofertada desde abril 2015 e recebe em média 45 pessoas por semana. “A maioria dos usuários é encaminhada pela equipe, mas também participam sem encaminhamento e patologias associadas. É aberto, sem distinção de faixa etária. Tivemos participação de usuários de 16 a 82 anos”, conta Célia Diefenbach, enfermeira da unidade e especialista em Saúde da Família.

Como é uma prática em grupo e muitos participam há bastante tempo, os usuários acabam criando laços de amizade. Para Célia Diefenbach, o vínculo afetivo entre os participantes é um componente importante para o processo do Cuidado, de humanização e qualidade de vida. “Essas relações são fortalecidas pela formação do grupo, tornando a biodança uma terapia com resultados transformadores e valorizados pela comunidade”, explica.

Dolores Pabst, 63 anos, descobriu a biodança há um ano. Os benefícios da prática e as amizades que construiu com o grupo são os motivos que a fazem ir aos encontros semanais. “Fui convidada para ir e gostei. Hoje eu estendo o convite a todo mundo. Não tenho mais problemas de insônia e as dores nas articulações melhoraram”, afirma. Além de biodança, faz yoga na unidade também.

Desde o início do ano, Fátima Maria Sena, 61 anos, frequenta as oficinas de biodança. Mudou-se de Belém (PA) para Joinville em dezembro de 2016. Depois de se consultar na UBS Jardim Sofia foi encaminhada para as práticas integrativas. “Procurei o posto por causa da artrite. Foi uma surpresa me recomendarem a biodança como um dos tratamentos. Tiraram os remédios que me faziam mais mal do que bem, sem melhora alguma das dores. Senti uma melhora de 80% com as práticas”, fala.

Todas as 57 UBS do município têm medicamentos fitoterápicos, porém, no momento, só a UBS Jardim Sofia oferece terapias meditativas, biodança, yoga e acupuntura. O acesso é por demanda espontânea.


Boas experiências
Na semana que vem, descubra como a Dança Circular mudou a realidade de Ituiutaba (MG). Histórias como a de Joinville em todo o país. Se no seu município há oferta de osteopatia, musicoterapia, quiropraxia, Ayurveda, Terapia comunitária integrativa ou Yoga, envie sua história para o e-mail: educomunicacao.dab@gmail.com. Queremos divulgar experiências bem sucedidas para incentivar outros municípios a investirem na estruturação das PICS, bem como na melhoria da promoção, prevenção e cuidado da população.

Leia também

O SUS das Práticas Integrativas: Dança Circular


Interação social é um dos benefícios que a Dança Circular traz aos seus praticantes. Leia mais uma história da série "O SUS das Práticas Integrativas" no portal do DAB. 

Em Ituiutaba (MG), a oferta de PICS tem melhorado a qualidade de vida dos usuários, principalmente, dos idosos do município.

“Os problemas de saúde dos idosos não precisam nortear a velhice”. Esse é um dos lemas das Equipe de Saúde da Família (ESF) e dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf) de Ituiutaba, Minas Gerais. O município oferece Práticas Integrativas e Complementares (PICS) há quatro anos. Entre os recursos terapêuticos disponíveis na rede de Atenção Básica, a Dança Circular atrai muitos praticantes da terceira idade.

Dança Circular é uma prática de dança em roda, tradicional e contemporânea. Tem origem de diferentes culturas, o que favorece a aprendizagem e a conexão entre os participantes. As pessoas dançam juntas, em círculos e aos poucos começam a internalizar os movimentos. O enfoque não é a técnica, e sim o sentimento de união de grupo, de comunidade.

A prática tem trabalhado a integração e socialização. “Percebemos melhoras na saúde física, pois a dança trabalha o equilíbrio e a mobilidade, ajudando a evitar o risco de quedas, algo comum entre os idosos. Os benefícios psicológicos também são nítidos. Houve melhora na autoestima, diminuição dos sintomas de depressão e de estresse”, conta Renata Alves Cardoso, Coordenadora do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) de Ituiutaba.

A oferta de dança circular não segue um protocolo, sendo aberta a todas as idade, porém são os idosos que procuram mais. O recurso é encontrado em cinco Unidades Básicas de Saúde da cidade e também em pontos estratégicos, como praças, igrejas, campos, entre outros.

A roda é muito inclusiva e acolhedora. É uma dança que traz união, centramento, apoio um ao outro. A alegria e disposição é visível em cada idoso dos grupos. É imensamente gratificante ver nosso trabalho refletido na melhoria da saúde dos usuários”, explica Renata Alves.

Além da dança, o município de Ituiutaba oferece Liang Gong, Ichi Gong e, recentemente, sessões de auriculoterapia, Reiki e reflexologia, exclusivamente em pacientes com dor crônica.

Boas experiências

Histórias como a Ituiutaba (MG) têm em todo o país. Se no seu município há oferta de osteopatia, musicoterapia, quiropraxia, Ayurveda, Terapia comunitária integrativa ou Yoga, envie sua história para o e-mail: educomunicacao.dab@gmail.com. Queremos divulgar experiências bem sucedidas para incentivar outros municípios a investirem na estruturação das PICS, bem como na melhoria da promoção, prevenção e cuidado da população.

Leia também

quinta-feira, junho 22, 2017

Membro do Conselho Editorial da revista Arquivos Médicos

Sinto-me honrado em compor o Conselho Editorial da revista científica "Arquivos Médicos" da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP). Apoiar o desenvolvimento das ciências médicas com uma visão multidisciplinar é fundamental para o atendimento integral à saúde e promoção do bem-estar e da qualidade de vida.

quarta-feira, junho 21, 2017

Venha paz interior... Yoga Day

Venha paz interior... Eu não tenho o dia todo...

Onde nasce a paz... Yoga Day

Onde nasce a paz...

O Yoga é um processo muito maior de respiração da vida no sistema humano através de uma abordagem holística que funciona com o corpo e a mente #YogaDay (UNESCO)

Yoga is a much larger process of breathing life into the human system through a holistic approach that works w/ the body & the mind #YogaDay (UNESCO)

Dia Internacional do YOGA

Yoga é uma arte de viver, uma forma de ser, trata-se de encontrar o verdadeiro Self e se conectar com ele. No dia 21 de junho, junte-se às celebrações Yoga Day. (UNESCO).

Yoga is an art of living, a way of being, it is about finding one's true Self & connecting with it. On 21 June, join Yoga Day. (UNESCO).

segunda-feira, junho 19, 2017

10 maus hábitos podem envelhecer sua pele; acabe já com eles!


Os efeitos do tempo são inevitáveis. Mas fumar, dormir pouco e fugir dos exercícios são alguns maus hábitos, que podem acelerar bastante o processo de envelhecimento da pele. Entenda o que acontece caso a caso com 10 inimigos da pele bonita e saiba como impedir que eles prejudiquem sua beleza. 

1- Cigarro
Estudo realizado pela Santa Casa de São Paulo concluiu que o envelhecimento facial de um fumante ocorre 3,5 vezes mais rápido em comparação com alguém que não fuma. "O cigarro possui aproximadamente 4700 substâncias tóxicas", explica a dermatologista Marcela O tabaco atrapalha o processo de oxigenação e nutrição da pele, além de estimular a produção de radicais livres -- substâncias que estão entre os maiores causadores do envelhecimento cutâneo. "As toxinas do cigarro causam a degradação das fibras de colágeno, responsáveis pelo tônus, deixando a pele mais flácida, fina, com rugas profundas -- principalmente ao redor dos olhos e lábios --, sem brilho e com tonalidade amarela-acinzentada", explica a médica.

2- Esquecer o hidratante
Cremes hidratantes ajudam a manter a pele saudável e bonita, pois criam uma barreira de proteção contra as agressões externas. "A hidratação auxilia na manutenção do brilho e da textura macia da pele. Sem esse cuidado, as rugas e marcas de expressão ficam mais evidentes", diz a dermatologista Viviane Nunes. Para garantir um aspecto jovem por mais tempo, a orientação da especialista é usar hidratantes todos os dias, no rosto e no corpo, apropriados para a região e o tipo de pele, prescritos por um dermatologista. 

3 - Estresse 
"Sabemos que cinco minutos de estresse crônico podem levar a uma perturbação orgânica de até seis horas. A pele, evidentemente, reflete isso", afirma o psicólogo Armando Ribeiro, especialista em estresse pela Universidade de Harvard. O estresse provoca a liberação de cortisol, adrenalina e noradrenalina no corpo, leva à constrição dos vasos sanguíneos, prejudica o transporte de oxigênio e nutrientes nos tecidos. "Essas substâncias também aumentam a produção de radicais livres, que aceleram o envelhecimento", explica a dermatologista Gardênia Palomino. 

4 - Álcool e conservantes 
Alguns alimentos aceleram o envelhecimento, pois induzem a produção de radicais livres, como é o caso dos industrializados, com grande quantidade de conservantes. O álcool, por outro lado, prejudica os níveis de vitamina A, antioxidante essencial para a renovação celular. Já os alimentos ricos em vitaminas, minerais e que são fontes de proteínas colaboram para a regeneração da pele, combatem os radicais livres e ajudam a manter a hidratação. "Boas fontes desses nutrientes são frutas ácidas e oleaginosas, gema de ovo, frutos do mar, grãos integrais, chás preto e verde, carnes magras, leite e derivados, entre outros", afirma a dermatologista e nutróloga. 

5 - Fugir da academia 
Estudo publicado no periódico Sports & Exercise mostrou que a prática de atividade física retarda a diminuição do comprimento dos telômeros. "Essas estruturas são pequenas cápsulas encontradas no final das cadeias de DNA, que o protegem contra possíveis danos causados pela divisão e replicação celular. À medida que as células envelhecem, os telômeros naturalmente encurtam e se desgastam", explica o educador físico Ronaldo Freitas, professor da academia Les Cinq Gym. Atividades físicas regulares – aeróbicas de baixa e média intensidade e exercícios de fortalecimento muscular -- também melhoram a qualidade do sono, aliviam o estresse e ativam a circulação sanguínea, permitindo uma oxigenação mais eficaz dos tecidos.

6 - Descuidar do filtro solar
O protetor solar é imprescindível, independentemente da temperatura. Isso porque no outono e inverno, mesmo que ocorra uma diminuição dos raios UVB, os raios UVA continuam agindo, causando lesões pré-malignas, rugas finas e manchas na pele. "Mesmo em casa, as luzes das lâmpadas fluorescentes e do computador também podem trazer prejuízos", diz a dermatologista Gardênia Palomino. Hoje, existem fotoprotetores com substâncias antioxidantes e antienvelhecimento que, além de prevenirem o aparecimento de rugas, ajudam a amenizar as marcas de expressão existentes. "Temos protetores para pele jovem oleosa, pele seca mais madura, para esportistas, para ser usado como base ou primer, antes da maquiagem. Não há mais desculpa para não usar filtro solar, sempre com prescrição dermatológica”, diz a dermatologista Viviane Nunes. 

7 - Poluição
Nos grandes centros urbanos, outra grande vilã é a poluição, que mantém na atmosfera várias substâncias prejudiciais, entre elas o dióxido de nitrogênio e o hidrocarboneto. "Essas substâncias podem atravessar a barreira cutânea e estimular cascatas químicas que vão gerar inflamações crônicas, acelerando o envelhecimento da pele e danificando o colágeno", afirma o dermatologista Alexandre Okubo. Para se proteger adequadamente, é preciso investir em uma limpeza diária completa, que inclui o uso de um sabonete, de um tônico e de um creme de tratamento. "Existem produtos prontos com ativos que ajudam a bloquear a ação nociva dos agentes poluentes. Para manipulação, também temos excelentes ativos, como Exo-P, Pollushield, I-defender, entre outros, que devem ser prescritos por dermatologistas", diz a dermatologista Viviane Nunes.

8 - Noites mal-dormidas
É durante a noite que produzimos colágeno, proteína que, entre outras funções, mantém a pele firme e com viço. “O hormônio do crescimento, excretado durante o sono, também é importante para a renovação celular, retardando o envelhecimento da pele”, explica Shigueo Yonekura, neurologista especialista em distúrbios do sono pelo Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP). Para piorar, na falta de um descanso reparador, a quantidade de cortisol na corrente sanguínea dispara, acelerando a formação de radicais livres. A saída é dormir o suficiente para acordar descansado e, de preferência, sem precisar usar o despertador. 

9 - Açúcar e gorduras 
Não só os doces, como os alimentos salgados com alto índice glicêmico – caso dos pães, massas e batatas, por exemplo -- aumentam o processo de glicação das fibras de colágeno. "Na prática, o colágeno fica mais enfraquecido. O resultado é que a pele se torna mais flácida e mais suscetível ao aparecimento de rugas", explica o dermatologista Alexandre Okubo. As gorduras -- principalmente as trans --, favorecem os processos inflamatórios, que também prejudicam a pele, acelerando o envelhecimento do corpo como um todo. 

10 - Deixar de beber água
"As fibras de colágeno, responsáveis pela sustentação da pele, necessitam de água para se renovar e funcionar de maneira adequada", diz a dermatologista e nutróloga Brunna Borges. Além disso, a água favorece a excreção de toxinas do organismo, responsáveis por acelerar o envelhecimento. A hidratação de dentro para fora também melhora muito o aspecto da pele, tornando as rugas menos perceptíveis. Para saber a quantidade de água ideal, a orientação dos especialistas é multiplicar seu peso por 35. Uma pessoa que pesa 70 kg, por exemplo, deve consumir 2,45 litros de água por dia.

Fonte: UOL

Demi Moore perdeu dentes da frente devido a estresse

Atriz revelou ter ficado banguela em participação no talk-show de Jimmy Fallon, na TV americana.

O estresse na carreira — e provavelmente também pelo fim do casamento com o ator Ashton Kutcher, que a deixou abalada — levou Demi Moore a perder dois dentes da frente. A atriz, símbolo sexual por filmes como Striptease (1996) e Proposta Indecente (1993), fez a revelação durante entrevista ao humorista Jimmy Fallon, no The Tonight Show, do canal americano NBC.

“Você nos mandou uma foto que é uma das coisas mais loucas que eu vi nos últimos tempos. Como isso aconteceu?”, quis saber Fallon, segurando um porta-retrato em que Demi aparecia desdentada. “Eu perdi os dentes da frente. Adoraria dizer que foi andando de skate ou algo assim bacana, mas de todo modo acho importante compartilhar a causa, que, depois do coração, é um dos principais assassinos dos Estados Unidos: o estresse.”

A atriz ainda contou que as filhas se divertiram com a situação, que a fez parecer mais “humana” e “vulnerável”.

Fonte: Veja

domingo, junho 18, 2017

AMAR, faz bem!

Olha o que amor me faz...
Amar é mesmo tudo de bom! 
Confira o que o amor pode fazer pela sua saúde...

quinta-feira, junho 15, 2017

Shantala. O SUS das Práticas Integrativas

Técnica trazida da Índia fortalece vínculo entre mãe e bebê em Lapão (BA)

A experiência com as Práticas Integrativas e Complementares (PICS) é recente no município de Lapão, na Bahia. As oficinas de Shantala começaram a ser ofertadas no início do ano. Até o momento, a prática foi implantada em cinco Unidades Básicas de Saúde (UBS), mas a previsão é que se expanda para as outras cinco ainda este ano. A técnica é oferecida por meio de demanda espontânea e oficinas com grupos de gestantes .

A Shantala é uma massagem para bebês que surgiu no Sul da Índia. A técnica foi difundida no ocidente pelo médico francês Frederick Leboyer. Estudos mostram que o método terapêutico pode trazer benefícios respiratórios, digestivos, imunológicos, relaxantes e analgésicos.

O projeto de implantação teve apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e coordenado pelo Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf) em Lapão (BA). Durante as oficinas de Shantala, é ensinada a técnica e apresentados os benefícios relacionados a essa prática. As gestantes são orientadas a levarem bonecas e as mães os bebês para aprenderem na prática.

“No mês de maio, atendemos 55 pessoas. A expectativa é de que por meio das oficinas programadas para os próximos meses, contabilizando gestantes, mães e filhos seja alcançado um número de 200 pessoas, podendo ser maior”, conta a fisioterapeuta da equipe Nasf Milena de Almeida, que trabalha no programa.

O recurso é indicado às gestantes e às mães com bebês até os seis meses de idade para contato inicial com a técnica. Não é recomendável realizar a massagem quando o bebê estiver com dor ou irritado, para que seja sempre associada a um momento de prazer. Os benefícioFonte: s são: fortalecimento do vínculo afetivo do bebê com quem realiza a massagem, auxílio à digestão, alívio de cólicas e fortalecimento do sistema imunológico do bebê.

Mais PICS
O primeiro passo do município para a oferta de PICS foi a Shantala, porém já está em andamento o processo de implantação do “Cura Nativa”, que consiste no cultivo de plantas medicinais junto à comunidade. O projeto será coordenado pelos farmacêuticos da equipe NASF. Além disso, profissionais da rede estão fazendo curso em auriculoterapia, formação oferecida pelo Ministério da Saúde em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), para implantar a prática no município.

“Os bons resultados das PICS no cuidado à saúde dos cidadãos têm estimulado à equipe a buscar formação e a gestão municipal a investir em novas práticas integrativas. Demos o “pontapé” inicial com as oficinas de Shantala e pretendemos ampliar o acesso e avançar com a implantação de outras técnicas”, explica Milena de Almeida. 

Curiosidade
A técnica foi trazida para o ocidente pelo ginecologista francês Frédérick Leboyer por volta da década de 1970, depois de uma viagem à Índia. O médico ficou encantado com uma mãe massageando seu bebê. Pesquisou sobre a massagem que era tradição e batizou a técnica com o nome da mulher: Shantala. 

Boas experiências
Na semana que vem, descubra como a Biodança mudou a realidade de Joinville (SC). Histórias como a de Lapão ocorrem em todo o país. Se no seu município há oferta de osteopatia, musicoterapia, quiropraxia, Ayurveda, dança circular, acupuntura, Terapia comunitária integrativa ou Yoga, envie sua história para o e-mail: educomunicacao.dab@gmail.com. Queremos divulgar experiências bem sucedidas para incentivar outros municípios a investirem na estruturação das PICS, bem como na melhoria da promoção, prevenção e cuidado da população.

Leia também

terça-feira, junho 13, 2017

Gravações para o programa Em Forma da RIT TV

Bastidores do programa Em Forma da RIT TV. O programa é apresentado pelas jornalistas Mari Patrão e Renata Caetano.

Armando Ribeiro foi o especialista convidado para falar sobre "DETOX EMOCIONAL" no programa Em Forma da RIT TV. Aprender a reconhecer os pensamentos tóxicos que sabotam os planos de um estilo de vida saudável são passos fundamentais para uma mudança comportamental consistente e duradoura. Pensamentos e emoções negativas podem levar a autossabotagem frente a programas de reeducação alimentar e atividade física, contribuindo para o "efeito sanfona" e a perda dos passos conquistados. Livrar a mente dos "pensamentos tóxicos" é tão importante quanto livrar o corpo do excesso de "agrotóxicos" e outros poluentes encontrados nos alimentos e no meio ambiente.

A apresentadora Mari Patrão aprendeu sobre as vias cerebrais dos pensamentos / emoções tóxicas, além de ser desafiada a gerenciar o seu stress fisiológico através de um moderno equipamento de biofeedback (atividade eletrodérmica - EDA). Será que a apresentadora conseguiu gerenciar o seu stress durante o programa? Assista... no programa Em Forma.

Prof Armando Ribeiro com as apresentadoras Renata Caetano e Mari Patrão do programa Em Forma da RIT TV.

O Prof Armando Ribeiro foi convidado a saborear o prato executado pelo chef Sérgio Correa do restaurante Chez Vous.