terça-feira, agosto 19, 2014

IV Congresso Brasileiro Psicologia: Ciência e Profissão


O Prof. Armando Ribeiro irá apresentar três trabalhos no IV Congresso Brasileiro Psicologia: Ciência e Profissão. Os impactos da Psicologia na sociedade brasileira: a política da ciência e da profissão.


Conversando sobre... "Psicologia e a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no SUS: Ampliando os limites terapêuticos", "Psicologia Positiva no trabalho, Wellness Coaching, Mindfulness e Neuromanagement: Novos paradigmas em Psicologia Organizacional" e "Programa de Avaliação do Estresse da Beneficência Portuguesa de São Paulo: Pioneirismo da Psicologia em um complexo hospitalar".

Fórum de Entidades Nacionais da Psicologia Brasileira, composto por 23 entidades da Psicologia, convida a todos para o IV Congresso Brasileiro Psicologia: Ciência e Profissão.
O Congresso, que está se preparando para a sua 4ª edição, é:
  • espaço para o diálogo da diversidade da Psicologia no Brasil;
  • lugar para o encontro da ciência e da profissão, que permite haver uma contribuição significativa na produção dos saberes e fazeres da Psicologia;
  • momento importante no desenvolvimento da identidade dos psicólogos
  • possibilidade para que todas as questões, abordagens e construções da Psicologia se apresentem e possam ser divulgadas e debatidas
  • lugar do desenvolvimento do compromisso da Psicologia com as necessidades da sociedade brasileira.

II Jornada de Prevenção e Controle de IRAS (Infecções Relacionadas a Assistência à Saúde)

II Jornada de Prevenção e Controle de IRAS
(Infecções relacionadas a assistência à saúde)

13 de setembro de 2014
Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Instituto de Educação e Ciências em Saúde
Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital
São Paulo - SP


Prof. Armando Ribeiro foi um dos especialistas convidados para ministrar a conferência "Líderes motivados inspiram equipes eficientes? Inspirando líderes em Prevenção e Controle de Infecção Hospitalar".

Apoio: APECIH - Associação Paulista de Epidemiologia e Controle de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde.

Mais informações:
Telefone: (11) 3549-0584 / 0585
E-mail: iecs@haoc.com.br
Website: www.hospitalalemao.org.br

quarta-feira, agosto 13, 2014

Robin Williams - Em alguns personagens marcantes!

Carpe diem.
"Aproveitem o dia, garotos.
Façam sua vidas serem extraordinárias."
Professor Keating, interpretado por 
Robin Williams, no filme 
"A sociedade dos poetas mortos".



"Se você tratar uma doença, você ganha ou perde. Se você tratar uma pessoa, eu garanto, você vai ganhar, não importa o resultado..." Patch Adams, interpretado pelo ator 
Robin Williams, no filme 
"Patch Adams - O amor é contagioso".


Robin Williams é homenageado na 
capa da revista TIME.

Da fama ao drama... Por que ídolos que tanto amamos se ferem?


Da fama ao drama... 
Por que ídolos que tanto amamos se ferem?

Dor na alma. Medo da rejeição, vida atribulada, sentimento de solidão: o que leva pessoas a terem comportamentos de risco e cometerem suicídio. Suicídio: estatísticas alarmantes, etiologia difusa e alto índice entre artistas e outras pessoas públicas. Dossiê sobre comportamento destrutivo e suicídio.

Leia a matéria no link:

terça-feira, agosto 12, 2014

Conta uma história?


Conta uma história? 
Ler para o seu filho desde pequeno é um hábito que só traz benefícios.

(...) "Costumo brincar que os contos são caixas de lápis de cor. Quanto mais histórias você conta , mais recursos a criança terá." Entrevista do Prof. Armando Ribeiro para a revista Crescer deste mês.

Grito de Alerta! Stress não é algo banal que desaparece espontaneamente


Um amigo psicólogo uma vez escreveu... "Stress não é algo banal que desaparece espontaneamente" (...) insistia em dizer que se a dor é inevitável o sofrimento é opcional... Por isso tratava daqueles que o procuravam com cuidados especiais... Para lembrar o corpo e a mente do caminho de volta à saúde integral!

quinta-feira, agosto 07, 2014

Prof Armando Ribeiro é um dos especialistas convidados para a 9a. Jornada Gaúcha de Psicologia Hospitalar


Pioneirismo do Programa de Avaliação do Estresse da Beneficência Portuguesa de São Paulo: O que aprendemos? e Práticas Integrativas e Complementares no SUS: Espiritualidade em Saúde serão os meus temas na 9a. Jornada Gaúcha de Psicologia Hospitalar.



XÔ, STRESS! Como lidar melhor com os desgastes do cotidiano. CLAUDIA


XÔ, STRESS!
Como lidar melhor com os desgastes do cotidiano. 
Revista Claudia (agosto / 2014).

No Limite!
Viver no trânsito, sob cobranças no trabalho, em ritmo alucinante em casa e com um cotidiano cheio de sobressaltos e desgastante. Só não significa que estamos fadadas a adoecer ou enlouquecer: a neurociência mostra que é possível lidar com o stress de modo positivo.



"O stress é contagioso", diz, sem meias-palavras, o psicólogo Armando Ribeiro, com a experiência de quem coordena o programa que avalia e estuda o tema no hospital paulistano Beneficência Portuguesa.

No limite! Entrevista especial para a revista Claudia (agosto/2014) sobre o nosso Programa de Avaliação do Estresse da Beneficência Portuguesa de São Paulo e como lidar melhor com os desgastes do cotidiano! XÔ, STRESS!!

terça-feira, agosto 05, 2014

9ª Jornada Gaúcha de Psicologia Hospitalar - Psicologia Hospitalar: Inovações nas Práticas em Saúde

9ª Jornada Gaúcha de Psicologia Hospitalar
Psicologia Hospitalar: Inovações nas Práticas em Saúde

24 e 25 de Outubro de 2014
Porto Alegre / RS

Conferências Confirmadas: 
Marisa Decat (Hospital Mater Dei, MG); Leopoldo Barbosa (IMIP, PE); 
Armando Ribeiro (Beneficência Portuguesa/SP); Tânia Rudnicki (ISPA, PT).


Realização: Serviço de Psicologia - Hospital Mãe de Deus
Promoção: Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar – SBPH
Local: Auditório Irmã Jacomina Veronese – Hospital Mãe de Deus

Público-Alvo
Psicólogos e estudantes de psicologia

Informações: 

domingo, julho 27, 2014

Sono pode ser um componente fantástico para redução do estresse. Consultório CBN



Sono pode ser um componente fantástico para redução do estresse Entrevista com Armando Ribeiro, coordenador do Programa de Avaliação do Estresse da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Friozinho dá aquela preguiça... Saiba melhor porque o sono pode ser um componente fantástico para redução do estresse! Consultório CBN. http://goo.gl/I085D1

quinta-feira, julho 24, 2014

Depressão sobre depressão na infância e adolescência - Papo de Mãe


Neste programa, Mariana Kostcho e Roberta Manreza recebem convidados para um papo sobre Depressão


Um filho diagnosticado com Depressão. O que antes era considerado um transtorno que atingia apenas adultos, infelizmente hoje é cada vez mais comum em crianças e adolescentes.

A Depressão afeta 350 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde e é mais prevalente entre mulheres. Mas entre os pequenos, o índice de depressão também é preocupante. Nos últimos 10 anos, de acordo com a OMS, o número de diagnósticos em crianças entre 6 e 12 anos passou de 4,5 para 8%.

Neste programa, vamos conversar com as mães Fabiana, Adriana, Neila e Thelma.

No caso da Fabiana, quem tem depressão é seu filho de 19 anos, que também sobre de epilepsia. Ela revela que o garoto chegou a ficar quase um mês sem sair do quarto e se nega a fazer qualquer acompanhamento psicológico. 

A filha de Adriana teve um quadro sério de síndrome de pânico seguido de depressão, quando tinha apenas 6 anos. A família tinha acabado de mudar de cidade e a menina sentiu muito a mudança. 

Neila teve depressão. Ela diz que o processo teve início em 2006, desencadeado por uma crise de pânico.  Ela parou de comer, só conseguia ingerir líquidos, fumava sem controle e se isolou de tudo e de todos. Em meio a este caos, ainda teve que lidar com a separação. O filho sentiu tudo isso e desenvolveu uma agressividade preocupante e um início de depressão.

E Thelma conta que já teve três momentos complicados de depressão, sendo que o último ainda não passou e ela continua afastada do trabalho, tomando medicamentos e fazendo acompanhamento psicológico. O filho mais novo de 6 anos sofre junto e já presenciou momentos complicados da mãe.

Especialistas: Dra. Ivete Gattás, psiquiatra da Infância e Adolescência do Departamento de Psiquiatria da Unifesp; Armando Ribeiro, psicólogo.

Na reportagem de Letícia Bragaglia vamos conhecer a terapeuta Alda Martinelli, autora do livro  "Yoga Massagem Ayurvética - A Transformação pelo Toque", que desenvolve um tratamento alternativo que pode ajudar na Depressão. Tem ainda um papo pelas ruas de São Paulo com Fernanda De Luca.    

Papo de Mãe é um programa imperdível e fundamental para quem vive as dores e as delícias da vida em família. Informal com informação. Emocionante. Interativo. E com muita prestação de serviço.

Apresentação: Mariana Kotscho e Roberta Manreza. 

quarta-feira, julho 23, 2014

Sorrir faz bem ao coração!

Imagem-topo
Com a chegada dos tempos modernos precisamos até de motivos “científicos” para soltar aquele sorriso e desfrutar de bons momentos de alegria.
Já inventaram até a “terapia do riso” ou “risoterapia”, e a versão indiana – “yoga do riso”. Há também outra modalidade muito conhecida entre nós: “Doutores da Alegria”, trabalho do médico norte-americano Dr. Patch Adams que resultou no filme Patch Adams – O amor é contagioso. Mas doença é “coisa” séria. Se estou doente quero logo um remédio, um tratamento e muita paz, não é mesmo? Por que insistem tanto em nos fazer sorrir, se a vontade é de chorar, resmungar e ficar “deprê”?
Mesmo não tendo tantos motivos para sorrir, evidências científicas baseadas nos estudos da “psiconeuroimunoendocrinologia” (não é para sorrir com o palavrão) sustentam que o sorriso autêntico é capaz de fortalecer nosso sistema imunológico, reduzir os hormônios do estresse, diminuir a dor, baixar a pressão arterial, aumentar o bem-estar, melhorar a qualidade do sono, entre outros efeitos. Basta lembrar-se dos filhos pequenos que esquecem imediatamente da queda se tudo virar motivo para uma boa risada… Precisa de mais motivos para sorrir? Existem pesquisadores nos EUA afirmando que 15 minutos de risada queimam cerca de 50 calorias (equivalente a uma barra média de chocolate) ou mesmo que podem aumentar a sua expectativa de vida em até 4 anos.
Na literatura médica, há o curioso caso do jornalista do New York Post Norman Cousins que frente há uma doença incurável e muito dolorosa, resolveu adotar sessões de televisão com filmes de comédia que, segundo ele, os 10 minutos de risada genuína permitiam até 2 horas de um sono reparador e livre das sensações dolorosas. Parte da sua experiência o levou a se tornar professor adjunto da disciplina de Humanidades Médicas na Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, Los Angeles.
A alegria que vem do coração já era um conhecimento bem estabelecido para as medicinas antigas. Na medicina tradicional chinesa, a alegria é a emoção que brota do coração e para a medicina ayurvédica indiana, a alegria é resultado do equilíbrio de forças vitais.
Atualmente as neurociências apontam que sorrimos ao vermos alguém sorrir porque possuímos um centro em nosso cérebro que funciona como um “simulador de ação”, também chamado de “neurônio-espelho” e que ensaiamos mentalmente toda ação relacionada à linguagem, empatia e dor. Já a psicologia evolutiva defende que as expressões faciais, tais como o sorriso, são resultados de mecanismos essenciais à sobrevivência da nossa espécie. Para a psicologia positiva, as emoções positivas são tijolos fundamentais para a resiliência, ou seja, capacidade de recuperação após uma situação adversa em nossas vidas. Mas é preciso lembrar que os resultados positivos do sorriso são correspondentes ao sorriso autêntico, que vem da alegria, do bom humor. Já sorriso forçado, falso ou mesmo irônico pode aumentar o nosso estresse e agravar ainda mais o nosso estado de saúde.
Os estudos sobre o sorriso na saúde estão ficando sérios, quem sabe chegaremos há um momento do conhecimento em que, além de escolhermos nossos médicos e profissionais da saúde por seus títulos e qualificações técnicas também, consideraremos sua capacidade de sorrir. Sorriso capaz de transmitir esperança e apoio incondicional por nossa recuperação.

Armando-Ribeiro_exibicao
Prof. Armando Ribeiro – psicólogo e coordenador do Programa de Avaliação do Estresse do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo.



Sorrir faz bem ao seu coração? Não deixe o bom humor esquecido em uma gaveta... Seu Coração


Saiba como a Psico-oncologia pode trazer benefícios para o tratamento do paciente.

Sentir-seBem-post-02-centro-oncologico
O tratamento oncológico é desenvolvido por uma equipe multidisciplinar composta por médicos patologistas, radioterapeutas, cirurgiões e radiologistas, além de profissionais da área da saúde como enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas e psicólogos. Devido a sua complexidade, são necessárias muitas abordagens terapêuticas que contribuem para o bem-estar e a qualidade de vida do paciente.

Alguns pacientes ficam abalados emocionalmente com a descoberta da doença e com as muitas mudanças que virão no desenvolvimento do tratamento. “Essas mudanças são relativas ao seu dia a dia e afetam não só o seu estado físico, mas também o emocional”, afirma o psicólogo Armando Ribeiro, que tem experiência em Psicologia Hospitalar e desenvolve programas de orientação em Psico-oncologia no Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes.
O psicólogo explica que tanto o paciente como os seus familiares, em algumas ocasiões do tratamento, não sabem como lidar com a oscilação dos sentimentos. “É essencial à família saber que tem um papel facilitador no desenvolvimento do tratamento do paciente. Muitos familiares não sabem como reagir nesse momento e ficam perdidos sem saber como apoiá-lo”. O Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes oferece orientação para os familiares e cuidadores dos pacientes por meio de palestras e também orientação psicológica individual.
Armando explica que o intuito desses encontros é trabalhar o equilíbrio emocional dos familiares, já que a descoberta da doença pode ser algo traumático também para eles. “Tanto os filhos, como esposas ou maridos ficam com o sentimento de renúncia de projetos de vida ou de perda, estados emocionais comuns à doença”.
A equipe de psicólogos do Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes realiza também orientação psicológica focada nos pacientes. “Nossa abordagem é o resgate das emoções positivas, promovendo um estado psicológico propício ao tratamento médico. O tratamento psicoterapêutico é voltado para terapias expressivas utilizando a arte, a música, além de técnicas de relaxamento, meditação e terapia cognitivo-comportamental”. Algumas técnicas de relaxamento são ensinadas aos familiares para praticá-las com os pacientes em casa. “Dessa maneira promovemos também uma conexão que fortalece os laços familiares, equilibrando emocionalmente ambos”.
Armando diz que o hospital tem o papel não só de cuidar da saúde do corpo, mas também da mente. “A ansiedade e a depressão são estados emocionais que dificultam muito o tratamento porque alteram a percepção da dor e a própria adesão ao tratamento. Pesquisas comprovam que a tristeza e a ansiedade aumentam esta sensação. O tratamento terapêutico é voltado exatamente para o bem-estar e a qualidade de vida do paciente, minimizando o estresse e promovendo a autoestima”.
Armando diz que a meditação é uma estratégia terapêutica que ajuda a resgatar o equilíbrio emocional. “O paciente precisa ter foco no seu tratamento e no seu bem-estar e tentamos conscientizá-los sobre como isso é importante para ele. Aplicamos técnicas de meditação de atenção plena, chamada de Mindfulness, que tem como proposta a redução do estresse por meio de exercícios de respiração, concentração e foco”.
Além disso, alguns conceitos da Psiconeuroimunoendocrinologia, área da Medicina que estuda a relação dos pensamentos com o sistema endócrino e imunológico, são aplicados no tratamento psicoterapêutico dos pacientes. “Estados emocionais negativos como tristeza, raiva e negação são comuns ao longo do tratamento e são exatamente eles que abalam a autoestima do paciente e interferem no tratamento. Nesses casos, por exemplo, nossa equipe aplica técnicas de relaxamento, intervenções de arte e música para promover o resgate de sentimentos positivos”.

Saiba como a Psico-oncologia pode trazer benefícios para o tratamento do paciente.  

Fonte: Centro Oncológico Antonio Ermirio de Moraes (COAEM) / Hospital São José.

domingo, julho 20, 2014

Apoio psicológico em Oncologia


O tratamento oncológico está longe de ser descontraído e alguns pacientes ficam abalados emocionalmente com a descoberta da doença. Por isso, o apoio psicológico é de extrema importância para garantir seu bem estar e sua qualidade de vida. Pensando nisso, o Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes oferece orientação para os familiares e cuidadores dos pacientes por meio de palestras e também orientação psicológica individual.

Fonte: Hospital São José

Cuidados Integrativos!


Quando mais de uma técnica terapêutica é usada no tratamento de uma doença, chamamos de “cuidados integrativos”, uma prática comum na luta contra o câncer. Meditação, ioga, Reiki, massoterapia, relaxamento, dietas naturais e musicoterapia são alguns exemplos de terapias usadas para melhorar o conforto e aliviar o estresse causado pelo tratamento oncológico.

Fonte: Beneficência Portuguesa de São Paulo

sexta-feira, julho 18, 2014

O papel da oração como coping religioso positivo em redução do estresse. Arquivos Médicos da FCMSCSP




O papel da oração como coping religioso positivo em redução do estresse. O objetivo deste artigo de atualização é descrever sucintamente o papel da espiritualidade na prática da psicoterapia, principalmente através da compreensão da oração pessoal como coping religioso positivo na eliciação da resposta de relaxamento psicofisiológico em redução do estresse. Descritores: Espiritualidade, Psicoterapia, Religiosidade e psicologia, Adaptação psicológica, Estresse psicológico. The role of prayer as positive religious coping in stress reduction. The purpose of this update is to describe succinctly the role of spirituality in the practice of psychotherapy, especially through the understanding of personal prayer as positive religious coping in eliciting the relaxation response psychophysiological stress reduction. Keywords: Spirituality; Psychotherapy; Religiousness and psychology; Adaptation, psychological; Stress, psychological. El papel de la oración como adaptación religiosa positiva en la reducción del estrés. El propósito de este artículo se actualiza describa brevemente el papel de la espiritualidad en la práctica de la psicoterapia, especialmente a través de la comprensión de la oración personal como adaptación religiosa positiva en la obtención de la reducción del estrés psicofisiológico respuesta de relajación. Palabras clave: Espiritualidad, Psicoterapia, Religiosidad y la psicología, la adaptación psicológica, el estrés psicológico.

Neves Neto AR. O papel da oração como coping religioso positivo em redução do estresse. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo. 2014;59(1):34-9.

E você já considerou o papel da espiritualidade na recuperação da sua saúde ou dos seus pacientes?

Depressão na infância e adolescência no programa Papo de Mãe da TV Brasil



Neste domingo (20/07) o Programa Papo de Mãe apresentado por Mariana Kotscho e Roberta Manreza Sandrini abordará o importante tema sobre a depressão em crianças e adolescentes. Segundo alerta da OMS a depressão é a doença mais frequente na adolescência atualmente... Entre os especialistas a psiquiatra dra. Ivete Gattás e o psicólogo Armando Ribeiro. No final do programa demonstrarei um simples exercício baseado na Psicologia Positiva para todos os participantes. Não percam!!



Especialistas: Dra. Ivete Gattás e o psicólogo Armando Ribeiro. 



Neste programa, Mariana Kostcho e Roberta Manreza recebem convidados para um papo sobre Depressão

Domingo (20), 15h30, na Tv Brasil. Reprise no sábado, 11 horas. 

Um filho diagnosticado com Depressão. O que antes era considerado um transtorno que atingia apenas adultos, infelizmente hoje é cada vez mais comum em crianças e adolescentes.

A Depressão afeta 350 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde e é mais prevalente entre mulheres. Mas entre os pequenos, o índice de depressão também é preocupante. Nos últimos 10 anos, de acordo com a OMS, o número de diagnósticos em crianças entre 6 e 12 anos passou de 4,5 para 8%.

Neste programa, vamos conversar com as mães Fabiana, Adriana, Neila e Thelma.

No caso da Fabiana, quem tem depressão é seu filho de 19 anos, que também sobre de epilepsia. Ela revela que o garoto chegou a ficar quase um mês sem sair do quarto e se nega a fazer qualquer acompanhamento psicológico. 

A filha de Adriana teve um quadro sério de síndrome de pânico seguido de depressão, quando tinha apenas 6 anos. A família tinha acabado de mudar de cidade e a menina sentiu muito a mudança. 

Neila teve depressão. Ela diz que o processo teve início em 2006, desencadeado por uma crise de pânico.  Ela parou de comer, só conseguia ingerir líquidos, fumava sem controle e se isolou de tudo e de todos. Em meio a este caos, ainda teve que lidar com a separação. O filho sentiu tudo isso e desenvolveu uma agressividade preocupante e um início de depressão.

E Thelma conta que já teve três momentos complicados de depressão, sendo que o último ainda não passou e ela continua afastada do trabalho, tomando medicamentos e fazendo acompanhamento psicológico. O filho mais novo de 6 anos sofre junto e já presenciou momentos complicados da mãe.

Especialistas: Dra. Ivete Gattás, psiquiatra da Infância e Adolescência do Departamento de Psiquiatria da Unifesp; Armando Ribeiro, psicólogo.

Na reportagem de Letícia Bragaglia vamos conhecer a terapeuta Alda Martinelli, autora do livro  "Yoga Massagem Ayurvética - A Transformação pelo Toque", que desenvolve um tratamento alternativo que pode ajudar na Depressão. Tem ainda um papo pelas ruas de São Paulo com Fernanda De Luca.    

Papo de Mãe é um programa imperdível e fundamental para quem vive as dores e as delícias da vida em família. Informal com informação. Emocionante. Interativo. E com muita prestação de serviço.

Apresentação: Mariana Kotscho e Roberta Manreza. 

BOREOUT: Quando o estresse aborrece. VocêRH

Boreout: quando o estresse aborrece

Invisível aos olhos, o problema é apenas detectado quando atinge níveis intoleráveis. Como combatê-lo?

Por Armando Ribeiro - VocêRH

Há algum tempo, organizações de todo o mundo estão se tornando conscientes do papel do estresse ocupacional e da qualidade de vida no trabalho como fatores que deveriam estar alinhados ao planejamento estratégico, gerando maior produtividade, competitividade e diminuindo custos, acidentes, etc.

O estresse ainda é um dos vilões do mundo corporativo atual. Invisível aos olhos, o problema é apenas detectado quando atinge níveis intoleráveis, aparecendo nas despesas médicas, na alta rotatividade e gerando conflitos interpessoais nas equipes. Dados de 2005 já apontavam para uma perda anual de 300 bilhões de dólares nos Estados Unidos com despesas relacionadas ao estresse excessivo.

Em uma das analogias mais sonoras sobre o estresse ocupacional, ele é comparado ao exagero no estiramento das cordas de um violino, ao ponto de comprometer o som do instrumento e a própria vida útil delas. Realmente, pressionar exageradamente os colaboradores, com múltiplos papeis, sobrecarga de trabalho e tensão disfuncional contribuirá para a criação de um ambiente exaustivo e tóxico. Mas, a complexidade do mundo atual traz novos desafios, incluindo o estresse que é resultado do oposto da tensão disfuncional, denominado por boreout, sendo o presenteísmo um dos seus aspectos mais conhecidos em nosso meio.

O ambiente de trabalho aborrecedor, com metas muito abaixo da capacidade dos trabalhadores, tarefas monótonas e repetitivas e sem colaboradores alinhados à cultura organizacional, representará uma folga nas cordas do violino tão impactantes quanto o excesso de estiramento.

Na verdade, ocorre que sofremos de uma grave desafinação nos ambientes corporativos modernos. Nossos maestros padecem pelo excesso de tensão, mas também pela falta da disciplina e do compromisso com os valores essenciais da organização. A quinta sinfonia de Beethoven vem soando mais como um desses hits "tchu, tchu, tchu, tcha, tcha, tcha" que alcançam sucesso comercial, mas com pouca chance de serem lembrados em futuro bem próximo. Então, só resta refletir: o que os líderes, realmente, desejam alcançar com seus colaboradores?

Mesmo em 1908, pesquisadores apontavam para a importância do equilíbrio entre estresse e produtividade, sendo que muito estresse compromete a saúde e a competitividade das organizações. Por outro lado, pouco estresse gera indisciplina, monotonia e desinteresse que também pode afrouxar, em demasia, as cordas do violino organizacional.

Curiosamente, vivemos em uma cultura que impulsiona situações e momentos de dispersão mental, ao passo que os mais recentes achados da psicologia sustentam que as atividades que exigem atenção, e que são desafiantes (mas não fora do alcance), aumentam a sensação de felicidade, maximizando o bem-estar emocional.

Alguns levantamentos internacionais apontam em até 87% a porcentagem de trabalhadores descrevendo-se pouco (ou nada!) ligados à sua empresa. O desafio atual dos gestores, portanto, é afinar o instrumento, proporcionando um ambiente de trabalho cada vez mais dinâmico e encorajador, mas tomando todo o cuidado para não perder o tom.

Armando Ribeiro foi professor do Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa
Artigo publicado na revista VocêRH (30/08/2012)

quinta-feira, julho 17, 2014

Entrevista para a revista Crescer


Prof. Armando Ribeiro é um dos especialistas consultados pela revista Crescer (edição agosto / 2014) para discutir sobre a posição da Associação Americana de Pediatria em relação a estimulação precoce da leitura em crianças pequenas. Além de ajudar a criança a estimular a criatividade, o momento da leitura pode aproximar os pais e promover o desenvolvimento de hábitos mais saudáveis e protetores de um desenvolvimento equilibrado. Não percam as dicas!

Gravações para a rádio SULAMÉRICA Trânsito!



Bom dia! Deixando a moleza de lado e indo gravar boletins para a rádio SULAMÉRICA Trânsito. Em breve, novas dicas para sobreviver no trânsito de SP e voltar para casa com segurança!

Depressão no programa Papo de Mãe da TV Brasil

Um filho diagnosticado com #Depressão. O que antes era considerado um transtorno que atingia apenas adultos, infelizmente hoje é cada vez mais comum em crianças e adolescentes.


A Depressão afeta 350 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde e é mais prevalente entre mulheres. Mas entre os pequenos, o índice de depressão também é preocupante. Nos últimos 10 anos, de acordo com a OMS, o número de diagnósticos em crianças entre 6 e 12 anos passou de 4,5 para 8%.

Neste domingo (20/07), o nosso #papodemae conversa com mães e especialistas sobre este tema importante. Especialistas: Dra. Ivete Gattás, psiquiatra da Infância e Adolescência do Departamento de Psiquiatria da Unifesp; Armando Ribeiro, psicólogo.

Na reportagem de Letícia Bragaglia vamos conhecer a terapeuta Alda Martinelli, autora do livro "Yoga Massagem Ayurvédica - A Transformação pelo Toque", que desenvolve um tratamento alternativo que pode ajudar na Depressão. Tem ainda um papo pelas ruas de São Paulo com Fernanda De Luca.

Fique ligado: 15h30 na Tv Brasil.

Programa apresentado por Mariana Kotscho e Roberta Manreza na TV Brasil. Todo domingo, 16 horas. Reprises aos sábados, 11 horas da manhã. Acesse www.papodemae.com.br.

Bastidores das Gravações
















O nosso #papodemae conversa com mães e especialistas sobre este tema importante. Especialistas: Dra. Ivete Gattás, psiquiatra da Infância e Adolescência do Departamento de Psiquiatria da Unifesp; Armando Ribeiro, psicólogo.




Gravações para o programa BEM ESTAR da TV Globo

Bastidores das gravações para o programa Bem Estar da TV Globo sobre estresse!!! Prof. Armando Ribeiro recebe a repórter Ana Brito da TV Globo para a entrevista sobre o programa de avaliação do estresse da BPSP.

Prof. Armando Ribeiro demonstrando a reação de estresse através de equipamento de biofeedback e utilizando técnicas psicoeducacionais para ensinar sobre o efeito da respiração nas emoções.

Prof. Armando Ribeiro - psicólogo e coordenador do programa de avaliação do estresse da Beneficência Portuguesa de São Paulo com a repórter Ana Brito do programa Bem Estar da TV Globo.

 Bastidores das gravações para o Bem Estar.

Bastidores das gravações.

terça-feira, julho 15, 2014

Foco no problema! Conhecido há muito tempo o estresse continua fazendo vítimas...

Foto: Izilda França / Hospital São José

"Conhecido há muito tempo, o estresse ainda continua fazendo vítimas. Considerado por alguns erroneamente como apenas um problema passageiro, o estresse, caso não seja tratado em tempo e com critérios adequados, pode produzir efeitos irreparáveis ao corpo humano."

Prof. Armando Ribeiro
Revista Sincomavi (nº 35 / 2014)


Há empresas que fomentam a cultura do estresse como algo positivo...

Foto: Hélio Guerra / Beneficência Portuguesa de São Paulo

"Há empresas que fomentam a cultura do estresse como algo positivo, mais produtividade em menos tempo, mas ignoram que o ganho imediato será perdido com o aumento de afastamentos por licença médica, perda da produtividade, perda da criatividade, aumento do número de acidentes de trabalho e aumento de rotatividade."

Prof. Armando Ribeiro
Revista Psique (nº 101 / 2014)